Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Entre Fraldas e Livros

Mãe de dois, licenciada em alguma coisa (pouco) relevante que sentiu a necessidade de expressar preocupações que lhe importam e as aventuras que acontecem por aqui.

Entre Fraldas e Livros

Mãe de dois, licenciada em alguma coisa (pouco) relevante que sentiu a necessidade de expressar preocupações que lhe importam e as aventuras que acontecem por aqui.

22 Jun, 2020

Gritos em silêncio

Aparentemente está tudo bem. Sorrimos, rimos, fazemos os outros rir, vamos para os nossos empregos, temos a nossa vida familiar bem, mas na realidade ninguém sabe os demónios de cada um.

A verdade é esta. E é preciso uma figura pública tirar a sua própria vida para que seja dada importância a uma doença que passa ao lado de muita gente porque "tens de ultrapassar", "vá, põe lá um sorriso nos lábios", "depressão é coisa de ricos"....

Não se enganem. Nasci no meio de médicos e enfermeiros, trabalho neste meio desde sempre. Já vi de tudo. Quando não estamos bem, o primeiro passo é reconhecê-lo, isso em si já é uma ajuda. Os amigos não conseguem fazer o trabalho de um profissional de saúde, por mais que tentem.

Um psiquiatra sabe o que faz. Estudou mais de 25 anos para isso, passa o dia a ouvir os problemas dos outros, por isso se não é por amor à profissão, não sei porque será - acreditem que não é pelo dinheiro, neste país. Não há, nem nunca deveria haver, vergonha nenhuma em pedir ajuda em pleno século XXI.

Está disponível demasiada informação para que as pessoas sejam "obrigadas" a sofrer em silêncio. 

Ah, e não, um psicólogo não é a mesma coisa que um psiquiatra... Não se enganem por aí tambem. Não é só porque um pode receitar "drogas" e o outro não que é menos mal ir a um do que a outro. Um estudou medicina, o outro não - estudou psicologia - com todo o seu mérito; mas não deixa de ser completamente diferente.

De qualquer forma, e não esmiuçando mais o assunto, em último caso, estão pessoas atrás de telefones que podem ajudar

LINHAS DE APOIO

 


Linha Jovem - 800 208 020
Todos os dias das 9 às 18 horas



Linha LUA

 

Linha SOS Bullying

 


SOS Estudante – 96 955 45 45 ou 808 200 204 (das 20h à 1h, chamada local)
Apoio emocional e prevenção do suicídio
 

Telefone da amizade – 228 323 535
Apoio em situações de crise pessoal e suicídio das 16h às 23h
 


S.O.S. Adolescente 
- 800 202 484
 

Conversa Amiga – 808 237 327 (chamada local)
Apoio, orientação e formação. Todos os dias das 15h às 22h


Linha SOS Palavra Amiga -  232 42 42 82
Todos os dias, das 21 à 01 horas;

Linha Telefone amigo - 239 72 10 10
Todos os dias, das 17 à 01 hora
 

Linha Telefone Amizade - 800 205 535
De segunda a quinta, das 16 à 01 hora
Sexta e Sábado, das 19 às 21 horas
 

Linha Informativa de Informação sobre orientação sexual e identidade de género - 96 878 18 41
 Associação ILGA Portugal (Apoio sobre Homossexualidade)


Sexualidade em linha – 808 222 003 (chamada local)
Informação e aconselhamento na área da saúde sexual e reprodutiva
Segunda a sexta das 10h às 19h e sábado das 10h às 17h.

INEM  - 112

Saúde Pública - 808 211 311

Intoxicações - 808 25 01 43

Saúde 24

  • Telef. - 808 24 24 24
  • website: www.saude24.pt

APAV – Associação Portuguesa de Apoio à Vítima - 707 200 077

Linha do Medicamento - 800 22 24 44

Provedor da Justiça - 808 200 084

CNPCJR Comissão Nacional de Protecção das Crianças e Jovens em Risco

  • Telef.: 21 115 52 70
  • e-mail:  cnpcjr@seg-social.pt
  • website: http://www.cnpcjr.pt/

CPCJ Guimaraães (Comissão de protecção de crianças e jovens de Guimarães  – 253 414053

Linha Verde Recados das Crianças - 800 206 656

SOS Criança – Instituto de Apoio à Criança -

  • Telefs.:217 931 617 / 800 202 651
  • e-mail: iacsede@mail.telepac.pt
  • website: http://www.iacrianca.pt

Saúde pública - 707 30 82 83